Aciva Inspira: jovem estudante de medicina relata experiência após vencer Prêmio de Matemática

O Prêmio Aciva de Matemática foi algo inesperado na minha vida, me ajudou a trilhar um caminho profissional e me fez acreditar muito mais na minha capacidade intelectual e eu relembro diariamente a diferença que ele fez na minha vida para hoje cursar a faculdade de medicina, a afirmação é da estudante araranguaense Amábile Cristiano Pereira, de 20 anos, que está na terceira fase do curso de medicina da Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc) em Criciúma.

Para ela o prêmio foi essencial para sua escolha profissional e abriu novos horizontes. Ela participou e foi a vencedora do Prêmio Aciva de Matemática de 2019, na categoria Ensino Médio, sendo que entre os prêmios foi premiada com uma bolsa de estudo no Colégio Leme. “Eu participei enquanto cursava o terceiro ano do ensino médio na Escola Professora Maria Garcia Pessi. Fiz prova de seleção, mas sabia que muitas pessoas tinham capacidade de passar e que se fosse para acontecer eu seria escolhida e assim fui. Na final, me lembro que a prova foi bem desafiadora, inclusive havia uma questão com uma fórmula que eu não lembrava, mas não desisti”, relata.

Amábile afirma que a conquista possibilitou que ela entrasse em um dos cursos mais concorridos. “O prêmio influenciou na mudança de ideia de curso e me fez acreditar mais em mim mesma e na minha capacidade de alcançar aquilo que quero. Hoje estou no segundo ano da faculdade de Medicina, já atendendo nas Unidades Básicas de Saúde e cada vez mais apaixonada pela área que eu escolhi”, pontua.

A Aciva, em sua vida, será sempre lembrada pela estudante araranguaense. “Só tenho a agradecer a entidade pela oportunidade que, quando eu for oficialmente médica, eu vou sempre me recordar”, finaliza.

Para o presidente da Aciva, Alberto Sasso, a entidade cumpre seu papel social. “Somos parceiros do desenvolvimento de Araranguá e da sua população e quando ouvimos relatos como este, temos convicção que estamos cumprindo uma de nossas missões enquanto sociedade civil organizada”, afirma.